UFCG usa substância da casca do camarão para produzir 10 mil máscaras cirúrgicas

Máscaras produzidas pela UFCG com substância proveniente da casca do camarão — Foto: FaspesqPB/Divulgação

O Laboratório de Avaliação e Desenvolvimento de Biomateriais do Nordeste (Certbio), da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), produziu dez mil máscaras cirúrgicas a partir de uma substância proveniente da casca do camarão. As máscaras foram entregues à Fundação de Apoio à Pesquisa da Paraíba (FapesqPB) para contribuir a rápida implementação de soluções de monitoramento, análise e recomendações frente à pandemia do Covid-19 na Paraíba.

A principal diferença da máscara é a incorporação de substâncias químicas atóxicas, biocompatíveis, biodegradáveis e com atividades antimicrobianas. O material usado na produção da máscara é é a quitosana. Um material que seria considerado como rejeito da indústria pesqueira, deixa de poluir o meio ambiente e passa a ser um material nobre utilizado no setor da saúde.

Além da barreira física de proteção, a máscara exerce uma barreira química através do biopolímero quitosana, que pode inativar o vírus que causa a Covid-19.

O projeto recebeu R$ 102 mil para o desenvolvimento e produção de máscaras cirúrgicas de polipropileno, que contam com quitosana na composição, atuando como bactericida, fungicida e virucida.

As máscaras foram entregues pelo professor Marcus Vinícius Lia Fook, coordenador do projeto, e serão destinadas pela FapesqPB às secretarias de Saúde e de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado, para distribuição em hospitais, centros de Saúde, entre outros serviços. A máscara é descartável, mas tem durabilidade segura de até 24 horas seguidas de uso.

Por G1 PB