Moradores registram chuva de granizo na região do Curimataú e Cariri da Paraíba, nesta quarta (12)

Chuva de granizo acontece na região do alto Sertão e parte do Cariri/Curimataú da Paraíba — Foto: Carmem Becker/Aesa

Vídeos feitos por moradores da região do Cariri paraibano registraram chuva de granizo, na tarde desta quarta-feira (12), no município de Assunção. De acordo com a Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa-PB), esse fenômeno também aconteceu no Sertão do estado e Curimataú, nas cidades de Soledade, Nova Palmeira e Juazeirinho, região onde chuvas intensas são provocadas normalmente durante este período do ano.

Nas imagens, é possível perceber que a água cai no solo em seu estado físico sólido, em formato de pequenas bolas de gelo. Conforme a Aesa, o granizo se formou a partir de uma nebulosidade chamada Cumulonimbus (CB). Esse tipo de nuvem é comum ocorrer na região do semiárido paraibano, especialmente nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro.

Segundo Carmem Becker, meteorologista da Aesa, na linguagem popular dos sertanejos, essa nebulosidade chama-se “torre”, porque é uma nuvem que se desenvolve verticalmente, com bastante intensidade e se forma em curto intervalo de tempo e é bastante forte.

“Essas nuvens provocam pancadas de chuva, na maioria das vezes, fortes, com raios e trovões e, em alguns casos, há precipitação de granizo”, afirmou Becker.

O que provoca essas nuvens

De acordo com Carmen, essa formação rápida das nuvens de desenvolvimento vertical acontece, principalmente, pela alta humidade presente no ar e, também, pelas altas temperaturas registradas. A combinação desses dois fatores ocasionam essas nuvens, geralmente formadas no período da tarde e noite, mas não são muito duradouras.

Onde é mais comum chover granizo

 

Conforme a Aesa, o Sertão, Curimataú e parte do Cariri paraibano, são regiões com maior possibilidade de formação de Cumulonimbus (CB). Por essa razão, a nebulosidade intensa e vertical pode provocar formação de granizo. Essas regiões, inclusive, são menos favorecidas pelas chuvas e registram altas temperaturas e humidade.

A previsão de chuva para essa área, durante o primeiro trimestre de 2022, é de 204 milímetros no Cariri/Curimataú, 385 milímetros no Sertão e de 480 milímetros no Alto Sertão .

De acordo com o prognóstico, janeiro é o período da pré-estação chuvosa no semiárido paraibano, que compõem regiões como Alto Sertão, Sertão e parte do Cariri/Curimataú.

No mês de janeiro e início de fevereiro, é natural ocorrer maior variabilidade das chuvas com prováveis eventos significativos, devido aos tipos de sistemas meteorológicos atuantes na região do Nordeste, principalmente pela atuação de Vórtices Ciclônicos de Altos Níveis (VCAN).

A previsão foi realizada em conjunto por especialistas em meteorologia da Aesa, Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos/Instituto de Pesquisas Espaciais (Cptec/Inpe), na Reunião de Previsão Climática para o Nordeste.

Com Danilo Queiroz, g1 PB