Header Ads

Amigos de Temer presos na quinta-feira são alvos de denúncia apresentada há dez dias por procuradores da República

José Yunes (esq.) e João Baptista Lima Filho (Foto: Paulo Giandália/Estadão Conteúdo/Arquivo e Reprodução/TV Globo)
Os dois amigos do presidente Michel Temer presos na quinta-feira (29) pela Polícia Federal na Operação Skala, o advogado José Yunes, ex-assessor da Presidência, e o coronel aposentado da Polícia Militar de São Paulo João Baptista Lima Filho, foram denunciados à Justiça Federal no último dia 21 pela Procuradoria da República no Distrito Federal.
Por meio de um aditamento, eles e o operador financeiro Lúcio Funaro, delator da Operação Lava Jato, foram incluídos na denúncia do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, que acusa de formação de organização criminosa políticos do MDB. No mesmo aditamento, foram incluídas na denúncia outras duas pessoas, cujos nomes a TV Globo buscava apurar até a última atualização desta reportagem.
Se a denúncia for aceita pelo juiz Marcus Vinicius Reis, da 12ª Vara da Justiça Federal em Brasília, Yunes e Lima Filho se tornarão réus. No caso de Funaro, a denúncia só terá efeito se ele for condenado a menos de 30 anos de prisão nos processos aos quais responde – esse é o tempo limite de prisão previsto no acordo de delação que firmou com o Ministério Público.
A informação sobre a inclusão de Yunes e Lima Filho na denúncia foi antecipada na edição deste sábado (31) do jornal "O Globo".
Segundo os procuradores, o aditamento inclui "novos e robustos elementos probatórios" obtidos a partir de documentos coletados na Operação Patmos, da Polícia Federal, realizada em maio do ano passado.
Nessa operação, um dos alvos de busca e apreensão foi a empresa Rodrimar, onde a Polícia Federal fez novas buscas na quinta-feira, durante a Operação Skala, um desdobramento da Patmos, cujo objetivo foi coletar provas para o inquérito que investiga se, em troca de propina, o presidente Michel Temer editou um decreto a fim de favorecer empresas portuárias, em especial a Rodrimar. Temer nega. A empresa diz que nunca pagou propina a nenhum agente público. Na Operação Skala, Yunes e Lima Filho foram presos temporariamente (por cinco dias).

Os denunciados por Janot por formação de organização criminosa, no caso apelidado de "quadrilhão do MDB" são os o presidente Michel Temer; os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral da Presidência); o ex-ministro Geddel Vieira Lima; os ex-deputados Eduardo Cunha, Henrique Alves e Rodrigo Rocha Loures; o empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F, e o executivo do J&F Ricardo Saud.
Nos casos de Temer, Padilha e Moreira Franco, que têm foro privilegiado devido à condição de presidente e ministros, o caso foi para o STF, mas o processo está suspenso porqueCâmara dos Deputados não deu autorização para tivesse continuidade. Os casos dos demais denunciados, que não têm foro, tramitam na primeira instância da Justiça Federal.
De acordo com a Procuradoria Geral da República, os denunciados formaram um núcleo político para cometer crimes contra empresas e órgãos públicos. Todos negam as acusações.

G1 


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.